sábado, 17 de outubro de 2015

De frente com a indecisão

Hi girlies,



 Bom meninas, eu não sei vocês, mas eu, sou a pessoa mais indecisa do mundo! Quem já viu o meu vídeo no canal, respondendo a Tag 50 fatos sobre mim, aqui, viu o que eu falei lá! Hehehe

 Mas, é a mais pura verdade! "Acho que sou a pessoa mais indecisa do mundo, mas não tenho certeza"..

 Tenho indecisão em tuuuudo! Tudo mesmo! Qual roupa usar, qual sapato colocar, que foto postar, que post fazer, o que ser quando crescer! Não rsrs, crescer nãoo! Já não gosto de ser alta, crescer mais ainda não vai rolar! Rsrs

 E vocês? Sentem essa indecisão?

 Dizem que essa indecisão na pré-adolescência é normal! Será? Vejo muitos adultos, aí indecisos! E nessa falta de ser tanta coisa ao mesmo tempo. Saudades de um misto de possibilidades e vontade.
 Envelhecer é  seguir em frente quando as vozes dentro da gente silenciam. Aquelas que te contavam sobre o que ser quando crescer, a primeira casa, seu estilo, seu tipo de homem... Cada escolhazinha feita no travesseiro podem fazer você se sentir como um estranho a você mesmo. Eu quis isso pra mim? Quem disse?
 É tão fácil transformar a vida da gente em um diário aberto ao público na Internet. Aceitar a opinião alheia como único meio para entender nossas dúvidas. Duvidar-se. Criar padrões e regras, que nem sempre funcionam. 
 E neste tempo, em que a vida de todo mundo é tão exposta e comparada, como não poderia deixar de ser, é comum se sentir perdido quando se baseia pelas regras dos outros. Estou saindo bastante? Ganho pouco? Amo demais? Devo trocar de trabalho? De carro? De namorado? Sou feliz?
 Pode parecer chato e sufocante sentir que sua vida não se move tão rápido quanto a dos outros. Estamos acostumados a oferecer aos outros, somente o que eles esperam da gente. E, se isso não acontece, criamos desculpas. Não sou eu, e as pessoas que estão ao seu redor quem vai convier com as escolhas que você faz para a sua vida. Ser diferente, é normal! Há muita margem entre o que é o outro e o que é você!
 Muitas das perguntas que tenho sobre o que quero ser depois de crescer não são nem minhas. São ecos de pessoas que estão bem mais confusas do que você. E o que a gente faz quando percebe que grande parte dos nossos problemas são frustrações adolescentes adquiridas em frente aos espelhos dos outros? Fale um pouco menos, sinta um pouco menos, arranje problemas de verdade e aprenda a confiar no seu silêncio. Nada fala mais alto que ele, ele é você em paz. Tem algo diferente disso que você queira ser?

 Ps. Desculpem pelo texto gigante, senti que precisava escrever.

 Espero que gostem!

 Beijinhos,

 Vivian. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário